bio

bio2

Foi ao som de Roberto Carlos que Alinne Rosa teve seu primeiro contato com a música. Dona Nete, mãe de Alinne e fã do Rei até os dias de hoje, não passava um único dia sem ouvir suas canções. Mas foi com uma fita de quatro músicas de Flávio Venturini que a menina nascida e criada em Itabuna (BA) percebeu que poderia cantar: “Aprendi com ele os vocais, ouvindo aquela fita eu fui percebendo tudo que ele fazia com a voz e descobri que conseguia fazer aquilo também”.

Nessa mesma época Alinne já fazia parte de um grupo de música da igreja católica. Tímida, ela buscava se esconder atrás da percussão até o dia que sua madrinha Zefinha – que fazia parte dos vocais – a convidou para cantar: “Ela disse que ia me ensinar a cantar, mas eu percebia que ela me ensinava errado, eu já tinha estudado Flávio Venturini e sabia que não era daquela forma (risos)”.

Com 16 anos Alinne foi sozinha e de carona para Salvador já com o sonho de ser cantora: “Quando cheguei a Salvador eu não conhecia ninguém, não tinha dinheiro nem para pegar um ônibus. Minha família não imaginava as coisas que eu passava, mas eu tinha um sonho, uma vontade crescer e de cantar”. A insistência no mundo das artes logo começou a abrir as primeiras portas e foi participando como backing vocal em uma pequena banda de axé que, em 2003, Alinne foi convidada para comandar a tradicional Banda Cheiro de Amor, onde permaneceu até o Carnaval de 2014 com três DVDs, seis CDs lançados e inúmeros prêmios como cantora. Com talento e carisma, a artista imprime sua personalidade a cada novo trabalho, conquistando cada vez mais fãs pelo Brasil.

bio3
Para a nova jornada, Alinne montou uma equipe de peso. Em sua banda, músicos com experiência e talento foram convocados: Ricardo Guerra (Barata), na guitarra, o baterista Cassio Brasil, os percussionistas Dakson Souza, Marcus Pires (Musk) e Rodrigo Calmon. Diego Assis no Teclado, Rodrigo Fróes no baixo, além de Gil Alves e Amarildo Souza Farias (Fire) nos vocais.

À frente da direção musical está Alexandre Lins, ao lado da coreógrafa Daniela Pena são os responsáveis por toda estética do novo show. “Hoje, meu show é muito mais organizado, tem início, meio, fim. Isso, além de me dar mais segurança, faz com que o espetáculo fique mais bonito”, explica Alinne Rosa.

“Complicamos Demais”, eleita primeira música do trabalho solo ganhou o Brasil como tema de Helena, protagonista da novela “Em Família”. Apesar da balada romântica com piano e violinos, engana-se quem pensa que Alinne deixou de lado a pulsação da música baiana, seu primeiro disco solo traz toda energia e vibração impressa em sua personalidade. O formato escolhido para o trabalho é o EP (Extended Play), lançado pelo iTunes, uma tendência entre os artistas de todo o mundo.

O minialbum foi batizado de “Estilo Meu” e contém cinco músicas inéditas: “Pulaê” (Thierry Coringa/ Fábio Alcântara/Rafinha); “Nada Está Normal” (Felipe Oliver/ Matheus Aleixo); “Chegue Chegando” (Thierry Coringa/ Samir/ Gigi) ; “Complicamos Demais (Thiago Gimenes/Tailla Araújo) e, “Estilo Meu” (Tattau) ,grande aposta para o Verão baiano. O show que hoje ganha as estradas do Brasil conta com uma mistura de grandes sucessos da época do Cheiro de Amor e as canções inéditas do novo trabalho.

País da Fantasia // Alinne Rosa - País da Fantasia
icon-downloadicon-downloadicon-download
  1. País da Fantasia // Alinne Rosa - País da Fantasia
  2. Lágrima das Inimigas // Alinne Rosa - País da Fantasia
  3. Só Que Não // País da Fantasia
  4. Complicamos Demais // Alinne Rosa - Estilo Meu - EP
  5. Nada Está Normal // Alinne Rosa - Estilo Meu - EP